Teacher on Demand

English Language Teaching in Brazilian settings

Bullying, a escola e os alunos homossexuais


Professor, você tem alunos homossexuais? Se sim, como se posiciona com relação às práticas de bullying dirigidas especificamente a eles?

Os homossexuais compõem um  grupo minoritário que frequentemente sofre intimidação, humilhação, calúnias e agressões físicas, incluindo espancamento e morte. Trata-se de um fato confirmado não apenas nas escolas, mas também do lado de fora.

O pressuposto básico para a prática do bullying é perceber o diferente como inferior e acreditar na homogeneização das pessoas. Dentro da escola, os alunos evidentemente reconhecem diferenças entre si, o que é um processo mais que desejável enquanto constroem suas identidades e suas representações sobre o outro. O perigo está em reconhecer na diferença um problema ou um prejuízo para a comunidade. Adolf Hitler é o maior cliché dessa cultura, que levou a prática de perseguição às mais absurdas e inconcebíveis consequências.

Ao lado dos gordinhos pouco afeitos a esportes, dos meninos franzinos que aparentam fragilidade, e das meninas de traços nordestinos e comportamento introspectivo, entre muitos outros, os alunos reconhecidos como gays são comumente sujeitados a rotinas muito pouco confortáveis de agressões morais e físicas na escola, e isso, sem nenhuma sombra de dúvida, tem um impacto indesejável sobre a qualidade da educação que a escola oferece a essas minorias.

A escola concebida como inclusiva talvez devesse entender os grupos minoritários e avaliar a que tipo de cultura fornece suporte. Ela deve se perguntar “Nós somos uma instituição homogeneizante, que acredita na inferioridade de um grupo em detrimento do outro e na necessidade de padronização, ou dispomos de uma filosofia heterogeneizante, que valoriza a diferença horizontalmente?”

Outra pergunta fundamental que a escola deve se fazer é “Nós conhecemos o ponto e vista de nossas minorias?” Se a resposta for “não”, vale a pena investir em um esforço reflexivo para descobrir porque essa informação não foi considerada importante até agora.

O documentário em curta metragem nacional Não Gosto dos Meninos (2011), de André Matarazzo e Gustavo Ferri, é uma tocante obra que reúne depoimentos de várias pessoas gays e que pode ajudar a escola a entender a perspectiva e os dilemas enfrentados pelos homossexuais na escola, na família e na sociedade. A seguir, o documentário completo (18 min) via YouTube:

November 1, 2011 Posted by | Point of view, Teaching resources | , , , , | 2 Comments

Lâmpadas e outras coisas


Você já se perguntou por que todas as impressoras que você comprou pararam de funcionar e ninguém encontra o defeito?

Já se questionou por que o seu aparelho de MP4 importado do oriente custou tão barato?

E por que se sente obrigado a comprar mais e mais, mesmo quando não precisa? Já se incomodou com essa sensação? Espero que sim.

A história ao redor desta lâmpada pode acentuar o desconforto. Trata-se da Lâmpada Centenária de Livermore, na Califórnia, EUA:

The Centennial Light Bulb

Abrigada em um galpão do corpo de bombeiros local, a lâmpada está acesa desde 1901, ou seja, é útil há mais de um século. A foto anterior foi registrada durante as comemorações de 110° aniversário pelo sistema de live cam que captura e publica fotos na internet a cada 30 segundos, de maneira que o mundo todo possa monitorar o funcionamento da lâmpada pelo endereço www.centennialbulb.org/cam.htm, em tempo real.

Desde que criaram o sistema de live cam, inúmeras câmeras utilizadas para captura e envio das imagens para a internet já foram descartadas e substituídas. A curta vida útil das webcams, em uma irônica comparação com a lâmpada, talvez indique que os processos industriais mais antigos resultavam em produtos mais resistentes e duráveis, e que a baixa durabilidade dos produtos atuais seja incidental – você pode pensar. Mas não é. A vida útil desses bens é previamente definida.

Isso se chama “obsolescência programada” e basicamente consiste em fabricar bens de consumo com tempo de vida útil reduzido, forçando o consumidor a descartar um produto e voltar à loja para comprar outro que o substitua. Trata-se de uma estratégia econômica adotada para manter mercados aquecidos depois da grande depressão de 1929, mas as consequências ambientais e sociais do consumo forçado não são nem um pouco desejáveis.

Com o vídeo abaixo, entenda como funciona a sociedade do consumo desenfreado e porque ele é considerado “a system in crisis“:

Dica: para ativar legendas, use o botão “cc” na barra inferior, mas só se for necessário! O filme dispõe de legendas em vários idiomas – inglês e português estão entre eles – bem como se apoia abundantemente em imagens para facilitar a sua compreensão. Procure assistir sem legendas primeiro. Depois, assista novamente com legendas em inglês e descubra que compreenderá muito mais. Talvez você nem precise usar legendas em português. Tente! Se o vídeo ativas as legendas em português automaticamente, você pode desativá-la ou mudar para inglês utilizando o botão “cc”.

Um sistema em crise: segundo o documentário "The Story of Stuff", o sistema linear da sociedade do consumo, que vai da extração de recursos naturais até o descarte de tudo o que compramos, acentua problemas sociais, provoca mais desigualdade, afeta a saúde das pessoas e causa graves problemas ambientais. A obsolescência programada acelera esse indesejável processo.

Explore mais:

Trabalhando com “The Story of Stuff” na sala de aula:

O documentário é extremamente didático ao discutir as consequências sociais e ambientais da cultura do consumo desenfreado, tanto pela clareza com que a apresentadora fala, quanto pela estrutura minuciosamente explicativa do roteiro, voltado para um público alvo leigo. Outro aspecto a favor: o suporte visual! As explicações são ilustradas constantemente com animações que auxiliam a compreensão.

Como nossos alunos precisam pensar sobre esse assunto, o TOD disponibiliza a seguinte atividade em inglês sobre “The Story of Stuff”:

Material para impressão:

Worksheet (2 pages) para o aluno: clique aqui para baixar o arquivo PDF.

Objetivos: discutir sobre as causas do impacto ambiental e social relacionadas ao comportamento de consumo e projetar mudanças de conduta que visem melhorar as condições de vida das pessoas. Para isso, são propostas 5 atividades de interpretação do documentário que devem exigir que o aluno explore o filme e instrumentalize algumas estratégias de compreensão oral e escrita. Pretende-se, também, que o aluno possa explorar o léxico específico e se torne capaz de fazer pesquisas adicionais sobre a temática, de maneira autônoma.

Dicas para o professor:

  1. Antes de apresentar o documentário ou sequer o tema aos seus aprendizes, forneça uma série de palavras-chave do texto (exemplos: natural resources, waste, consumption, forests, undrinkable water, environment, toxic chemicals, shop, consumer goods, trash, pollution, exploitation) e dê-lhes a chance de compará-las e prever o assunto da atividade.
  2. Exiba o documentário com o auxílio de um projetor ou deixe que os alunos assistam pela internet da maneira como achar mais conveniente (em computadores da escola, por exemplo). Caso não disponha de conexão à internet em sala de aula, é possível baixar o vídeo usando softwares gratuitos como o aTube Catcher, e armazená-lo em um pendrive, CD ou laptop para exibição offline.
  3. Considere a possibilidade de a primeira exibição ser feita sem legendas, para que os alunos possam ativar suas estratégias de compreensão específicas para esse gênero de filme. Após a primeira sessão, procure conversar com o grupo e verificar o que compreenderam. Use 2 minutos ao final desta conversa para descobrir, também, em que eles se apoiaram para entender. Língua? Imagem? Língua e imagem juntas? Outros apoios?
  4. Apresente o material impresso e permita que os alunos revejam o documentário. Lembre-se que a atividade 5 não prevê respostas específicas. Trata-se de um espaço em que os alunos poderão sistematizar anotações pessoais, que podem variar de leitura para leitura, para uma discussão posterior.
  5. Permita que os aprendizes se organizem em pares ou pequenos grupos de 3 pessoas.
  6. Ao final, conduza uma discussão com o grupo todo, projetem maneiras de contribuir para a sustentabilidade e a igualdade. Você pode solicitar um trabalho de pesquisa para que seus alunos tragam informação adicional para a sala de aula e as exponham (em apresentações orais ou cartazes).

Por favor, volte ao TOD e nos mostre um pouco dos resultados que alcançou!

September 23, 2011 Posted by | For students, Printable Material, Teaching resources, Workshop | , , , , | Leave a comment

Google Doodle


[Atividade em inglês sobre datas comemorativas com material para impressão] On August 30, 1998, Google’s conventional 4-color logo was first redesigned by Larry and Sergey, founders of Google, to celebrate The Burning Man Festival, and they liked that idea. Since then, the corporation logotype has been changed from time to time to celebrate holidays, birthdays and the life of artists and scientists. According to Wikipedia, then-intern Dennis Hwang has been in charge of designing Google doodles since the logo for Bastille Day in 2000.

However, not only new versions of the Google logo have surprised users. Google is said to have created the first playable logo on  May 21, 2010,  to celebrate the 30th birthday of Pac-Man. Additional interactive logos came subsequently with the Electric Guitar logo and the Lunar Eclipse logo.

The following video features Dennis Hwang presenting a time lapse video on Google doodle creation:

Exploring Google Doodles on http://www.google.com/logos/index.html might be an opportunity to learn more about local and global holidays, date expressions as well as to discuss cultural diversity. The following slideshow displays a few samples of Google Doodles that celebrate special dates all over the World. Can you match logos and the dates listed right below?

 

Dates:

  • Apr 22, 2001: Earth Day – (Global)
  • May 03, 2005: Teacher’s Day – (US)
  • Feb 14, 2009: Happy Valentine’s Day (Selected countries)
  • Jun 15, 2011: Total Lunar Eclipse. Live imagery provided by Slooh. – (Global)
  • Sep 07, 2011:  Brazilian Independence Day – (Brazil)
  • Feb 17, 2011: Lantern Festival – (China, Hong Kong, Taiwan)
  • Jan 28, 2008: 50th Anniversary of the LEGO Brick – (Global)
  • Mar 06, 2003: Michelangelo’s Birthday – (Global)
  • Apr 23, 2000: Happy Easter (Selected countries)
  • May 12, 2002: Happy Mother’s Day – (Global)
  • Sep 10, 2005: Teacher’s Day – (China)
  • May 21, 2010: PAC-MAN’s 30th Anniversary Doodle – PAC-MAN™ & ©1980 NAMCO BANDAI Games Inc.  – Global
  • Sep 01, 2011: First Day of School – (Selected Countries)
  • Sep 01, 2011: Tarsila do Amaral’s 125th Birthday – (Brazil)
  • Oct 24, 2010: Menino Maluquinho’s Birthday – (Brazil)
  • Dec 25, 2007: Merry Christmas (Global)
  • Nov 23, 2000: Happy Thanksgiving – (US)
  • Oct 31, 2002: Happy Halloween – (US)
  • Sep 15, 2000: 2000 Summer Games in Sydney – Opening Ceremony – (Global)
  • Aug 29, 2004: 2004 Athens Olympic Games – Closing Ceremony (Global)
  • Sep 05, 2008: Teacher’s Day – (Poland)
  • Apr 18, 2011: 129th Birthday of Monteiro Lobato – (Brazil)
  • Jan 01, 2010: Happy New Year – (Global)
  • Mar 30, 2005: Vincent Van Gogh’s Birthday – (Global)

Printable PDF material:

Google logos teacher’s version (5-page version with answers): click here to download.

Google logos student’s version 1 (5-page version): click here to download.

Google logos student’s version 2 (1-page version): click here to download.

Teaching tips: to display the sequence of Google logos, you may either provide students with a hard copy of Google logos student’s version 1 or show them on screen using a projector. If you wish to display the logos sequence on screen, toggle full screen mode on the right lower corner of the slideshow applet. Students may also access this post by themselves so they can handle the slideshow. Don’t forget that by exploring vocabulary related to holidays and special dates, other issues are likely to arise, such as date expressions (days, months, years and abbreviation forms). At the end, you may also wish to discuss cultural differences and similarities with your puppils and request a paperwork or research on that theme. Pair work should be a good choice for this activity.

TOD wishes a great time in class!

September 7, 2011 Posted by | For students, Printable Material, Teaching resources | , , , , , | Leave a comment

“English Listening Lesson Library Online : Learn English Naturally!”


Elllo is a very useful teaching resource when it comes to oral comprehension practice. The site is a free listening activity database with hundreds of audio files featuring speakers of English around the world talking about a huge variety of subjects from fast food to ethics. You may find a Mongolian talk about vacations to an American and a Canadian compare Christmas traditions with a Sweddish girl. For written support, each audio file comes along with a script.

Try Elllo at http://www.elllo.org/

Suggested by teacher Francine

June 8, 2011 Posted by | Teaching resources | , , , , | 4 Comments

Monica for export


Jimmy Five, Smudge, Maggy and all other characters in Maurício de Sousa’s Monica’s Gang speak English!

Comic strips are a type of narrative text designed to entertain their reader. Apart from novels and short stories, this kind of narrative lays not only on language to tell the story, but also on visual resources. Such theoretical definition shows that, besides being fun, comics may be helpful exploring text genres.

Web address www.monica.com.br/ingles/index.htm offers a variety of comic strips and other stuff in English related to Brazil’s favorite comic characters so it is a great source of appealing lesson material containing:

Intertextuality

Snow White and the Seven Dwarfs is one of the various literature works Monica's Gang stories are clearly inspired on.

Description

When students are invited to distinguish narrative, description and essay, the gang may offer them a complementary chance to figure out each aspect of each text genre. This one, for example, is a descriptive informative text.

Narrative

Whereas this one is a narrative entertainment text.

Issues of social interest

Sousa's strips provides not only linguistic material to work on. Social issues and situations of educational interest like bullying are commonly portrayed.

Teachers say another reason why Sousa’s stories might make appropriate teaching material is that, besides motivating pupils to learn, they’re also part of their knowledge background and portray the very culture students are in.

Click here to visit the English speaking Monica's Gang.

May 16, 2011 Posted by | Teaching resources | , , , , | 3 Comments

   

%d bloggers like this: